BID e governo federal apoiam projeto Brasil Afroempreendedor
Gallery shortcode is invalid.

BID e governo federal apoiam projeto Brasil Afroempreendedor

A importância do Projeto Brasil Afroempreendedor e o reconhecimento de seu papel na formulação de políticas de desenvolvimento e inclusão estão provocando a mobilização de apoios importantes no Brasil e além das fronteiras do País. O resultado é a construção de parcerias fundamentais para a continuidade e a ampliação do projeto. Nesta terça-feira (8), na Casa Civil da Presidência da República, Palácio do Planalto, governo federal e representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)comprometeram-se a desenvolver ações para o fortalecimento do empreendedorismo afro-brasileiro. Durante audiência com representantes do Projeto Brasil Afroempreendedor, foram definidas algumas estratégias de apoio aos empreendimentos de negros e negras no Brasil.

A audiência ocorreu em um momento importante para o projeto, em meio à realização dos seminários estaduais previstos em seu cronograma que estão mobilizando empreendedores em todo o País. A delegação do BID foi convidada a vir ao Brasil para conhecer o projeto e participar de algumas atividades, como o seminário estadual da Bahia, que acontece nestas quinta (10) e sexta (11), em Salvador, e a palestra sobre financiamento de empreendimentos, iniciativa do Brasil Afroempreendedor que acontecerá em São Paulo, no dia 14 de abril.

Participaram da audiência em Brasília, pelo BID, a diretora da instituição no Brasil, Daniela Carrera Marquis, a especialista em Desenvolvimento Social, Divisão de Gênero e Diversidade, Luana Ozemela, e Luciano Schweizer, especialista em Mercados Financeiros Mercados de Capitais e Instituições Financeiras. Pelo governo federal, estavam presentes representantes da Casa Civil da Presidência da Repúbica, da Secretaria de Relações Institucionais, da Secretaria Geral, da Secretaria de Assuntos Estratégicos, da Subchefia de Assuntos Federativos da Casa Civil e do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), além de representantes da Secretaria de Políticas para Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e da Fundação Cultural Palmares (FCP). Pelo projeto estavam presentes as instituições executoras, Instituto Adolpho Bauer (IAB) e o Coletivo de Empresários e Empreendedores Afro-brasileiros de São Paulo (CEABRA/SP), representado pelo presidente João Carlos Martins, e o presidente da Associação Nacional dos Coletivos de Empresários e Empreendedores Afro-brasileiros (ANCEABRA), João Bosco Borba. O SEBRAE Nacional, parceiro do projeto, foi representado pela gestora Maria Angela Machado. Conduziram a reunião os coordenadores Executivo, João Carlos Nogueira, e Institucional, Adilton de Paula, do Projeto Brasil Afroempreendedor.

A audiência serviu para a apresentação das estratégias do projeto e seu alcance junto aos empreendedores afro-brasileiros. Foi consenso que, embora o público alvo inicial sejam 1200 empreendedores afro-brasileiros, o Brasil Afroempreendedor toca numa questão de fundo das desigualdades econômicas na sociedade brasileira: a exclusão da população negra do processo de desenvolvimento da economia nacional, com reflexos ainda neste início do século 21.

Ao final da reunião, foram apresentados encaminhamentos concretos para a parceria entre o BID e as organizações coordenadoras do Brasil Afroempreendedor. Os principais foram a continuidade e o fortalecimento das parcerias entre governo e sociedade civil; a realização de pesquisa sobre mercados e produtos consumidos pela população negra brasileira; a partir de dados pesquisados, focar nos setores e cadeias produtivas para acelerar os negócios dos afroempreendedores; verificar os impactos dos negócios empreendidos por negros e negras no conjunto da economia; construir mecanismos para diminuir o nível de risco dos empreendimentos de afro-brasileiros; constituir equipes técnicas para construir um consistente programa de apoio a empreendedores negros(as); e estudar a viabilidade de criar uma Incubadora de Programas e Projetos apoiados pelo BID no campo do afroempreendedorismo.

Compartilhe!

Deixe o seu comentário, queremos ouvir você