Brasil Afroempreendedor mostra a força do empreendedor afro-brasileiro

“Afroempreendedrorismo: eu apoio essa ideia!”

Dia 5 de agosto de 2013, na Câmara Municipal de São Paulo, em um evento que reuniu mais de 450 pessoas, entre micros e pequenos empresários, autoridades e apoiadores da promoção da igualdade racial, o Instituto Adolpho Bauer (IAB) e o Coletivo de Empresários e Empreendedores Afro-Brasileiros de São Paulo (CEABRA/SP), em parceria com o SEBRAE Nacional, lançaram o projeto Brasil Afroempreendedor. A presença maciça de pequenos e microempreendedores foi a marca maior do lançamento do projeto. Os empreendedores, a maioria afro-brasileiros, acompanharam com atenção as manifestações das autoridades que compuseram a mesa do evento, oferecendo a maior prova do potencial deste segmento para contribuir com o novo ciclo de desenvolvimento sustentável por que passa o Brasil.

Estavam presentes no evento autoridades de expressão nacional. Entre elas, o ministro da Secretaria das Micro e Pequenas Empresas, Guilherme Afif Domingos, o diretor-presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barreto, o deputado federal Vicente Cândido (PT/SP), a deputada estadual Leci Brandão (PC do B/SP) e a secretária adjunta da Secretaria de Políticas de Promoção Racial de São Paulo e ex-ministra da SEPPIR/PR, Matilde Ribeiro. Também compuseram a mesa os vereadores José Américo e Alfredinho e o presidente da Associação Nacional dos Coletivos de Empreendedores do Brasil (ANCEABRA) João Bosco Borba. Fechando a composição, os presidentes do IAB, Francisco Rodrigues da Silva Sobrinho, e do CEABRA/SP, João Carlos Borges Martins, entidades executoras do projeto Brasil Afroempreendedor.

Compromisso

A maior prova do compromisso das autoridades presentes foi o anúncio do projeto de lei que institui o Programa Municipal São Paulo Afroempreendedor, na esteira do Brasil Afroempreendor. O vereador Alfredo Alves Cavalcante, o Alfredinho (PT/SP) aproveitou a ocasião para comunicar aos presentes o envio de projeto de lei de sua autoria para apreciação dos vereadores da cidade de São Paulo. É o primeiro projeto com esse perfil no país e, pelas manifestações de outros parlamentares e autoridades presentes, não será o único.

“Não existe cidadania sem que as pessoas possam produzir riqueza e se desenvolver”, enfatizou o vereador José Américo, na saudação aos presentes. Anfitrião do evento. José Américo, atual presidente da Câmara Municipal paulista, foi enfático: “Nosso país tem uma dívida imensa com a população afrodescendente”. Após, destacou a resistência histórica dos negros no Brasil, e a necessidade de políticas compensatórias, como as cotas, para superar nossas desigualdades raciais. “Temos de mirar os bons exemplos, dentro e fora do Brasil, para avançarmos”, destacou.

Em seguida, o Projeto Brasil Afroempreendedor foi apresentado pelo consultor técnico nacional e coordenador executivo do projeto, João Carlos Nogueira, que fez uma breve explanação sobre o contexto em que ele foi concebido, seus objetivos e sua metodologia. O coordenador executivo destacou que o projeto pretende mobilizar “inicialmente” 1200 empreendedores afro-brasileiros em 12 estados, com o objetivo de fortalecer a gestão dos negócios, ampliar o acesso ao crédito, estimular as inovações tecnológicas, fortalecer as redes de afroempreendedorismo e contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas.

Veja a seguir os principais trechos dos discursos das autoridades que compuseram a mesa do Evento:

Vereador Alfredinho (PT/SP)

Vereador Alfredinho“Este é um ato de grande importância para São Paulo e para o Brasil. Ninguém conquista uma vitória sem luta. Os dados que traduzem a discriminação aos afro-brasileiros não são mera coincidência. Espero que o Brasil inteiro compre essa ideia e dê sequência a esse projeto. Que por aqui se inicie um amplo debate sobre o assunto nos municípios, nos estados e no País.”

Deputado federal Vicente Cândido (PT/SP)

Vicente Cândido“Quero elogiar o ministro e vice-governador Guilherme Afif e o presidente do SEBRAE Nacional, Luiz Barreto, que entenderam a importância do projeto Brasil Afroempreendedor. Talvez esse seja um dos eventos mais importantes de que participo para discutir um tema não muito comum para nós. Começamos discutindo cotas e chegamos agora a uma agenda positiva de valorização da cidadania, para estabelecer como o negro vai se posicionar num Brasil cada vez mais rico e próspero. O apoio do SEBRAE Nacional e a participação de um ministério neste lançamento dão a dimensão da importância estratégica deste projeto. Vamos estimular a articulação de emendas parlamentares para a execução deste Projeto e de mais projetos como este. Dessa forma, serão viabilizados os recursos necessários para sua execução. Esse evento é para despertar isso, não apenas para quem executa os empreendimentos, mas para quem elabora as políticas públicas e para quem luta pela Promoção da Igualdade Sócio-racial.”

João Carlos Martins, presidente do CEABRA/SP

João Carlos Borges Martins“Temos 16 anos de trabalho no CEABRA e este é um grande momento, de muita importância com a assinatura do convênio do projeto Brasil Afroempreendedor. Somos mais de 100 milhões de negros no país, muitos vivendo na miséria. Com o governo Lula, começamos a mudar. Com este projeto, damos mais um passo, um passo importante para garantir aos negros e as negras desse país o acesso às políticas públicas e ao desenvolvimento.”

Francisco Rodrigues da Silva Sobrinho, presidente do Instituto Adolpho Bauer (IAB)

Francisco“O Instituto Adolpho Bauer (IAB), é uma organização não governamental sem fins lucrativos e voltado para o desenvolvimento sustentável com inclusão social de gênero e de raça. Viemos do movimento sindical. Com o sindicalismo cidadão, temos a visão de que os sindicatos têm de ter outras iniciativas relacionadas com as lutas gerais da sociedade. Quando criamos o IAB, pensamos justamente em ampliar nossa atuação social. Em 2010 realizamos a I Feira Quilombola do Paraná, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) e com o Conselho Nacional da Presidência da República (CDES). Foi neste sentido que encampamos e formulamos o Projeto Brasil Afroemepreendedor. No movimento sindical, a discriminação dos afrodescendentes é muito grande. A sociedade brasileira tem uma dívida histórica com negros e negras no País. Por isso, estamos à frente desse projeto, junto com o CEABRA e o SEBRAE Nacional, para contribuir na construção de uma política pública para o afroempreendedorismo no país.”

Matilde Ribeiro, secretária de Igualdade Racial de São Paulo, ex-ministra da SEPPIR/PR

Matilde Ribeiro“Estamos construindo na Prefeitura Municipal de São Paulo um termo de cooperação que auxiliará nos próximos passos desse programa em nossa cidade. Temos de lembrar o fato histórico de que demoramos mais de 100 anos para o desenvolvimento de políticas de igualdade racial em nosso País, após a chamada abolição de 1888. Nos anos 1980, começou o desenvolvimento das políticas de igualdade racial no Brasil. São Paulo foi pioneira, com a criação do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra. Foi um longo caminho até chegarmos ao ministério, em 2003. Isso tudo porque a população negra assumiu a luta. Temos um legado de lutas e conquistas, e é com eles que o SEBRAE e o Ministério das Micro e Pequenas Empresas trabalharão.”

Leci Brandão, deputada estadual (PC do B/SP)

Leci Brandão“Hoje é um dia de celebração. Matilde, primeira mulher negra ministra no Brasil, começo por você. E também por você, Teodosina, a primeira mulher negra a entrar na Assembleia Legislativa de São Paulo. Olho para essa plateia, e vejo a diversidade de nosso País. A diversidade está comemorando. E olha como as coisas mudam. Nesse projeto apresentado pelo vereador Alfredinho temos o fortalecimento e o desenvolvimento de comunidades quilombolas, de terreiros e de comunidades tradicionais. Essas comunidades podem nem saber pronunciar a palavra empreendedor, mas tem de saber aproveitar os frutos desta política. Esse projeto vai ser uma vitória arrasadora, com recursos públicos ajudando as pessoas a construir uma nação em que se priorize o acesso da população negra a uma vida melhor.”

Luiz Barreto, diretor-presidente do SEBRAE Nacional

Luiz Barreto“Hoje, estou muito feliz porque começamos uma conversa e atingimos esta etapa. A partir desta experiência, tenho certeza de que avançaremos muito. O empreendedorismo é muito importante para o País: são 99% das empresas, 25% do PIB, as pequenas e micro empresas são responsáveis por 70% do emprego da mão de obra de nosso país. Mas como fazer deste Projeto uma possibilidade de inclusão? Com políticas específicas, pensando o recorte racial e de gênero, já que hoje o maior crescimento entre os empreendedores brasileiros é dos negros e negras, temos que aproveitar este imenso potencial criador e empreendedor deste povo. Temos de ter muitas informações e muita capacitação, de forma a superar as barreiras e os marcos legais e culturais. Mil e duzentos empreendedores é apenas um começo. A partir deles, fomentaremos um crescimento cada vez maior.”

Guilherme Afif Domingos, Ministro das Micro e Pequenas Empresas e vice-governador de São Paulo

Afif“Este é um encontro que busca engrossar ainda mais as fileiras do empreendedorismo no Brasil. Tenho uma vida de mais de 30 anos voltados ao apoio ao empreendedorismo. Estive na Constituinte de 1988 com o então deputado federal Luiz Inácio Lula da Silva. Agora, a presidente Dilma me convidou para a secretaria (Ministério da Pequena e Micro Empresa). E é com esse espírito, de ajudar a formar consensos, que presenciamos e parabenizamos o nascimento deste grande Projeto. Os movimentos sociais têm muita força, o Movimento Negro tem muita força. Por isso, temos de trazê-los para divulgar conceitos e ganhar massa e volume nas votações de interesse no Congresso Nacional. É o movimento das ruas que vai nos ajudar a ultrapassar os obstáculos. E temos de estimular não apenas o empreendedor afro-brasileiro, mas também o “apreendedor” afro-brasileiro (o jovem negro aprendiz), com cursos no SENAI, no SENAC e outros. Com empreendedores e “apreendedores”, o Brasil vai pra frente!”

Confira as fotos do evento

Compartilhe!

4 comentários, add yours.

dils santos

gostaria que isso virasse um “site” para expor nossa gente que ainda tem seus micros negocios escondido nos quintais, nos poroes das periferias sem a exposicao das midias seria legal se criasse um SITE para expor essa toda gente invisivel

Josiene Fernandes

Como os afroempreendedores poderão participar?
Haverá uma seleção? Quais serão os critérios?

    Instituto IAB

    O processo de inscrições e qualificação, será disponibilizado nos próximos dias no edital do site do Instituto Adolpho Bauer. Em virtude do ano eleitoral e da Copa do Mundo ocorreram algumas mudanças no calendário das atividades.

Aldacir Fonseca de Souza

Quero participar do curso de formação Brasil Afroempreendedor pela prefeitura de Hortolândia.

Sua resposta para dils santos