Governo da Bahia fará parceria com projeto Brasil Afroempreendedor

O lançamento do projeto Brasil Afroempreendedor na Bahia, nesta quinta-feira, com a realização do seminário estadual, mostrou a força do empreendedorismo na região. Não apenas pelos números, que identificam 12% do total de empreendedores negros e negras brasileiros no estado, e uma participação expressiva desses empreendedores no seminário, mas pela repercussão desses números nas políticas adotadas pelo governo e entidades que lidam com o tema. Nos últimos anos, o estado da Bahia tem se destacado na promoção de políticas de inclusão racial e de gênero. Por essas razões, na abertura do seminário estadual, o projeto Brasil Afroempreendedor foi considerado uma iniciativa inovadora e oportuna, que vai ao encontro de várias medidas em curso no estado, e que, a partir da semana que vem, começam a ser transformadas em parcerias.

Participaram da mesa de abertura do seminário o Diretor Superintendente estadual do SEBRAE baiano, Edival Passos Souza, o deputado estadual Bira Coroa (PT/BA), o vereador Silvio Humberto (PSB/BA), a coordenadora de Empreendedorismo Negro da Secretaria Estadual de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Juci Santana, a subcoordenadora da Coordenação de Promoção da Igualdade Racial Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (SEPROMI), Trícia Calmon, Gilberto Leal, representando a Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN), Olivia Santana, ex-chefe de gabinete da Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte e militante histórica do movimento negro da Bahia, o assessor da Secretaria Municipal da Reparação, Valdo Lumumba, o presidente do Instituto Adolpho Bauer (IAB), Francisco Rodrigues da Silva Sobrinho, e o representante do SEBRAE Nacional, consultor Antônio Thobias. A representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luana Ozemela, participou da abertura. Na terça-feira, a representante do BID reuniu-se com a coordenação do projeto e integrantes do governo federal em Brasília para discutir estratégias de apoio ao Brasil Afroempreendedor.

As manifestações ressaltaram a importância do empreendedorismo negro para o desenvolvimento do estado e do País. O Diretor Superintendente do SEBRAE/BA, Edivaldo Passos, considerou o projeto uma iniciativa que coloca o SEBRAE em um patamar importante para discutir o empreendedorismo e a sua missão no atendimento aos micro e pequenos empresários afro-brasileiros. Segundo o superintendente, o Brasil Afroempreendedor não se constitui apenas em um projeto-piloto, mas já é uma ação que tem como dimensão o desenvolvimento da política econômica nacional. “A importância desse projeto é justamente colocar os negócios afrodescendentes numa perspectiva de mercado e não de uma lógica de subsistência”, enfatizou. Olívia Santana lembrou a I Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Formas Conexas de Intolerância, em Durban, na África do Sul, em 2001, quando já se falava nas ações afirmativas e na questão econômica como bandeiras de luta para a inclusão e o desenvolvimento. “O projeto propõe a inclusão econômica da população negra brasileira e agora temos a oportunidade de vê-lo sendo lançado na Bahia”.

A subcoordenadora da Coordenação de Promoção da Igualdade Racial Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (SEPROMI), Trícia Calmon, anunciou várias medidas de inclusão. “O projeto não poderia ser mais oportuno, já que converge com as políticas construídas na Bahia”, disse. Na semana passada, projeto de lei do Estatuto da Igualdade Racial estadual foi encaminhado à Assembleia Legislativa. No projeto, um capítulo trata exclusivamente do empreendedorismo negro, com a previsão de um sistema de financiamento que destinará 10% do Fundo Estadual de Combate à Pobreza para as políticas de inclusão, em torno de R$ 50 milhões ao ano.

Paralelamente, o governo da Bahia discute projeto com o Banco Mundial para o financiamento do empreendedorismo negro e de mulheres, iniciativa que pode chegar aos R$ 360 milhões em um período de seis anos, entre 2015 e 2021, nos 417 municípios baianos. “A política estadual é pensada a partir de aspectos que coincidem com os dados do Brasil apresentados pelo Brasil Afroempreendedor: os empreendedores negros são maioria na Bahia, mas concentram a menor parte do capital, empregam menos, e têm rendimento menor”. Segundo Trícia, a política estadual enxerga essa realidade como possibilidade de investir no desenvolvimento do estado, e o projeto Brasil Afroempreendedor ajudará a promover a qualificação do público beneficiário, bem como, ajudará a consolidar a formação da rede de empreendedores negros e negras, uma das metas principais do projeto.

Outro ponto destacado pela subcoordenadora é a promoção do empreendedorismo em comunidades quilombolas. “Este é um dos públicos beneficiários de nossas políticas de desenvolvimento e mais uma ação convergente entre as políticas de governo da Bahia e o Brasil Afroempreendedor.” Na próxima semana, reunião entre integrantes da Secretaria e do SEBRAE da Bahia começarão a delinear protocolo para desenhar linhas conjuntas de ação na promoção do empreendedorismo como motor das políticas de desenvolvimento no estado.

Lançamento livro

Pela manhã, o seminário promoveu o lançamento do livro “Desenvolvimento e Empreendedorismo Afro-brasileiro”. A mesa de lançamento e debate foi constituída pelo economista Elias Sampaio, ex-secretário da SEPROMI e autor de um dos artigos do livro. Em seu artigo, Sampaio critica as teorias, particularmente a do economista Celso Furtado, que não contemplaram a questão racial como elemento de fundo para o desenvolvimento do País. O professor Hélio Santos, outro debatedor, destacou a importância estratégica do desenvolvimento nacional a partir do empreendedorismo afro-brasileiro. A mesa também foi integrada pelos coordenadores do Projeto Brasil Afroempreendedor, João Carlos Nogueira e Adilton de Paula, e pelo representante do SEBRAE Nacional, Antonio Thobias.

À tarde, seguem as atividades do seminário, com apresentação do projeto para os afroempreendedores e palestra sobre Orientações para elaboração de Plano de Negócios, Construção de cenários de sucesso e Análise de mercado, pelo consultor Antonio Thobias, e a apresentação de casos de sucesso. Amanhã pela manhã haverá apresentação dos empreendedores e de seus empreendimentos. À tarde, encerra-se a atividade de elaboração dos planos de negócios. Segue a palestra do representante do SEBRAE da Bahia sobre Gestão de recursos e finanças e o seminário encerra-se com a assinatura do Termo de Compromisso pelos participantes.

Compartilhe!

Deixe o seu comentário, queremos ouvir você